MiR PBS - Artigos
Segunda, 25 Março 2019 14:40

Vivendo na Graça Divina

Texto:  Romanos 5:20

 

INTRODUÇÃO

A Bíblia garante que: onde abundou o pecado, superabundou a graça de Deus (Rm. 5:20). Então, a graça está acima do pecado e com maior poder de ação.  Podemos até pensar que o pecado está dominando o mundo, mas o que vai ser evidente nos últimos dias será a Graça Divina. O que é Graça? É receber a benção que não merecemos. Deus ama o homem de tal maneira que, mesmo sendo pecador, deseja abençoá-lo. Porém, esta benção só virá mediante o arrependimento dos pecados. Uma vez que o homem reconhece em Cristo Jesus a mediação entre si e Deus, ele recebe mais do que pede. Que bênçãos são essas?

  1. A SALVAÇÃO (Ef. 2:8)

O homem precisa ser salvo porque o pecado já o condenou. Deus não condena ninguém, Ele salva da condenação (Jo. 3:17-18). Muitos pensam que Deus manda as pessoas para o inferno. O que as manda para o inferno são os pecados cometidos pelo homem. Deus só manda para o céu. O homem precisa ser salvo da morte, inferno e do diabo. Qual pecador merece o céu? Nenhum, mas ele é alcançado pela Graça de Deus, a fim de ser salvo. A Graça não é resultado das obras do homem, mas da bondade de Deus.

  1. JUSTIFICAÇÃO (Rm. 3:23-24)

Uma vez que o homem se arrepende e confessa Jesus como Salvador de sua vida, acontece algo extraordinário. Ele é declarado justo diante de Deus. O Juiz Eterno, nosso Deus, Santo e Criador, olha para o diabo e diz: Este pecador é perdoado pelo seu pecado. Você não pode mais acusá-lo. Ele é livre! A justificação é um ato declarativo de Deus em nos chamar de justos e de nos livrar da culpa do pecado.

  1. A PAZ (Rm.5:1)

O que mais se fala nestes dias é sobre a paz. É o desejo supremo de todo ser humano. Ele a busca de todas as maneiras, mas nem sempre a encontra, porque a paz só se acha em Deus. Muitos promovem a paz entre nações e não entendem que a paz entre os homens só virá se primeiramente eles encontrarem a paz com Deus. Mediante o ato de Deus nos declarar justos, descobrimos a paz com Ele que excede todo entendimento. Ainda que o mundo esteja em um caos, é possível viver em paz. Jesus é a nossa Paz.

CONCLUSÃO

Os erros cometidos podem ser muitos, mas aquele que se arrepender dos seus pecados e viver a fé em Jesus Cristo, terá os seus pecados perdoados e a paz dominará seu coração. Independente de qualquer fraqueza, a Graça Divina está disponível e ela lhe dará poder para vencer as acusações do inimigo e receber a Salvação. “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Co. 12:9). 

Publicado em Células
Sexta, 22 Março 2019 11:18

O Verbo se fez Carne

Texto:  João 1:1-5

 

INTRODUÇÃO

Jesus foi o homem que impactou o mundo através dos séculos e o tem impactado ainda nos dias de hoje. Embora muitos homens que, com suas conquistas, invenções e ideologias também influenciaram povos e nações, Jesus não pode ser comparado a nenhum deles, pois Ele é o próprio Deus que se manifestou em carne e decidiu viver, entre nós, em um corpo humano (João 1:14).

  1. JESUS É DEUS

A Bíblia nos diz, de forma bem clara, que Deus é um só, embora sendo uma Trindade: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.  Jesus, a parte de Deus que é o Filho, ao vir para a terra, assumiu a forma humana, a fim de se identificar conosco. Sendo Jesus o próprio Deus, vale à pena conhecê-lo e fazê-lo conhecido, porque Deus nos fala assim nas Escrituras: “Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor, mas o que pecar contra mim, fará mal à sua própria alma; todos os que me aborrecem amam a morte.” (Pv 8:35-36). Cristo é a própria imagem do Deus invisível, real e que existe antes de toda a criação. O próprio Cristo é o criador de tudo quanto existe nos céus e na terra, do visível ao invisível.

  1. JESUS É O NOSSO MEDIADOR

O Evangelho de João inicia dizendo que Deus é a Palavra (Verbo) e Ele se fez carne (homem) (João 1:14). Jesus é Deus que assumiu a forma humana e estava com Deus Pai ou seja, em outras palavras: Jesus é uma parte da Trindade. Muitas pessoas tomam as passagens que se referem ao fato de Jesus estar junto a Deus, como evidência que Ele não é Deus, mas, em outras passagens, a Palavra deixa muito claro ao afirmar que Jesus é Deus “e que Ele se deu a si mesmo por nós”.  (Tito 2:13-14). Mesmo sendo Deus e tendo todo poder, Jesus tornou-se humano como nós, vivendo as mesmas lutas, tentações e necessidades. Por isso, Ele nos entende e pode nos ajudar a vencer o pecado. Jesus é a ligação entre o homem e Deus e só Ele pode nos unir ao Pai, porque só Ele é Deus que assumiu a forma humana quando veio à Terra. “Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem”. (1Timóteo 2:5).

CONCLUSÃO

Jesus se chamava de Filho do Homem como forma de identificação com sua missão e autoridade divina. Ao se chamar Filho do Homem, Jesus se identificava com toda a humanidade.  Ele, como Deus, assumiu a forma de homem e revestindo-se de carne, passou a ter um corpo de homem. “E, Aquele que se manifestou em carne, foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, e recebido acima na glória.” (1Tm 3:16).

Publicado em Células
Segunda, 11 Março 2019 15:56

O Espírito que Habita em Nós

Texto:   1Coríntios 6:19

INTRODUÇÃO

O amor de Deus é “derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado”, gratuitamente, pelo Pai (Romanos 5:5).

1.     QUANDO NOS É DADO O ESPÍRITO SANTO

À partir do momento em que cremos em Jesus, recebendo-o em nosso coração, o Espírito Santo nos é dado por Deus e Ele passa a habitar em nós. Deus nos ama tanto que não deu o Espírito Santo para ficar, não só ao nosso lado, mas para ficar no nosso interior. Dessa forma, o nosso corpo passa a ser templo do Espírito Santo (1Co 3:16) e, como Ele está em nós, sabe tudo a nosso respeito, conhece a nossa estrutura, as nossas necessidades e nos compreende sem nenhuma explicação. A nossa parte consiste em  ouvi-lo, não permitindo a carne vencer a luta travada contra o espírito (Gl 5:17), mas buscando a intimidade com Ele, permitindo que nos convença do pecado, da justiça e do juízo nos guie  “a toda verdade, porque não falará por si mesmo” (Jo 16:13).

2.     CONDIÇÃO PARA TERMOS O ESPÍRITO SANTO

Há uma condição para que o Espírito de Deus seja derramado em nós: a obediência total ao Senhor (Atos 5:32). Há, também, uma verdade contida na Bíblia que precisamos entender e pregar: O Espírito Santo é dado aos que creem em Jesus e o recebem como Salvador e Senhor (Jo 7:38-39). Então, o melhor que podemos fazer pelas nossas vidas é crer e obedecer Àquele que, gratuitamente, nos dá o Seu Santo Espírito – nosso Pai. Deus nos deu o Seu Espírito tão somente pelo amor que Ele tem por nós.  Desde o início da igreja, o Espírito Santo tem estado com aqueles que receberam Jesus como Salvador e Senhor, confirmando o que o Mestre disse: “todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for o Consolador não virá a vós; mas, se eu for, vo-lo enviarei. E, quando ele vier, convencerá o homem do pecado, e da justiça e do juízo.” (Jo 16.7-8).

3.    O ESPÍRITO SANTO E A IGREJA

Se Jesus não enviasse o Espírito Santo, provavelmente a igreja não existiria hoje. Logo após o derramar do Espírito no Pentecostes, todos foram cheios do Espírito Santo e, assim, permaneceram. O Seu poder ainda continua o mesmo. Ele foi enviado para nos consolar e nos encher de poder. É maravilhoso dizer que o Espírito Santo está dentro daqueles que ouviram a Sua voz, confessaram seus pecados, e declararam Jesus como único Senhor das suas vidas. A Bíblia diz que “o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.” (2Co 3.17). Essa liberdade não é nossa, é do Espírito Santo. Será que estamos dando ao Espírito Santo a liberdade que Ele precisa para trabalhar em nossas vidas a fim de que possa realizar a obra que Ele quer fazer em nós?

CONCLUSÃO

A Palavra nos diz que “o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. (Rm 5.5). Para entendermos o quanto Deus nos ama, precisamos entender o quanto Cristo sofreu na cruz, morrendo por nós “sendo nós ainda pecadores.” (Rm 5.8). Deus tinha muitos motivos para não nos amar, mas não o fez. Após Jesus voltar para o céu, Ele nos enviou o Espírito Santo para habitar em nós. Isso significa que nunca estamos sós, pois o Espírito Santo, a todo tempo, se move em nossas vidas.

Publicado em Células
Segunda, 04 Março 2019 09:22

Família: A Base da Igreja

Texto:   JOSUÉ 24:14-15

 

INTRODUÇÃO

Uma casa estável é aquela que permanece firmada nos princípios da Palavra de Deus, apesar das dificuldades e de ventos contrários que, por vezes, sopra sobre ela. Nenhuma crise é maior que a família, pois ela nasceu através de um projeto divino, cujo propósito é gerar um povo santo para povoar o reino de Deus.

  1.   FAMÍLIA SANTA IGREJA FORTE

A nossa família precisa ser santa e todos os seus membros devem viver em paz e harmonia. É necessário acabar com situações de um dia estar bem e outro mal. De saber o certo e praticar o errado. Acabar com a vida dúbia: na igreja ser uma coisa e, em casa, ser outra totalmente diferente. Homens e mulheres de Deus precisam aprender a cumprir os princípios da Palavra de Deus, a qual nos dá tremendas orientações de como viver em família e gerar um lar de comunhão e intimidade com o Senhor.  A nossa família será no futuro o que cada um de nós plantarmos neste tempo presente. Sabe por que o diabo odeia tanto a família? É porque ela é a base de uma igreja forte e saudável. Igreja forte é o resultado de famílias equilibradas e santas.

  1.   FAMÍLIA: GERAÇÕES DE ADORADORES

O primeiro casal foi gerado por Deus em perfeição e santidade para também gerar um povo igualmente perfeito e santo. Mas todos os decretos que Deus deu a Adão e Eva foram ouvidos pelo diabo.  Ele torceu as palavras de verdade numa mentira, enganando assim aqueles a quem foi dada a missão de gerar as famílias que povoariam a Terra.  O que o diabo mais queria era ser igual a Deus (Is 14.14), porém somente ao homem e a mulher foi concedido ser imagem e semelhança de Deus, os quais, juntamente, gerariam filhos também imagem e semelhança do seu Criador. (Gn 1.26, 28). Se quisermos ser fiéis aos ensinamentos de Jesus, temos que fazer da nossa família uma geração de adoradores. Deus não mandou Seu Filho amado vir ao mundo sem um plano familiar. Jesus, segundo os princípios de Deus, não poderia aparecer do nada, pois não existe ninguém sem uma identidade. Todos sabiam quem era seus pais na Terra: filho de um carpinteiro e de uma mulher chamada Maria. Ele tinha uma família, cujos pais sabiam quem Ele era: Filho do Altíssimo.

CONCLUSÃO

A família precisa viver estes dois princípios: temor e obediência ao Senhor. Decida, pois, investir na sua família vivendo esses princípios. Se satanás usou da posição que tinha no céu e entrou na Sala do Trono, conseguindo com sua maldade influenciar anjos, o que ele não poderá fazer numa família que lhe der brechas? Mas graças a Deus que o sangue de Jesus está sobre nossa casa e tem poder para anular e desfazer toda obra do diabo contra ela. Uma luz virá sobre a sua casa e desfará toda treva que por ventura existente. Amém!

 

Publicado em Células

Programações

Blog do MiR PBS